No Dia de Bike ao Trabalho, Ciclovida realiza contagem de ciclistas na “ciclovia do Poste”, em Fortaleza

Na última sexta-feira, 10 de maio, foi o Dia de Bike ao Trabalho, campanha realizada mundialmente! No Brasil, o #DBaT, como também é conhecida, está em sua sexta edição.

Infelizmente, em Fortaleza não aconteceu nenhuma ação coletiva, quer seja por iniciativa pública ou privada, embora a Prefeitura tenha dado a gratuidade para o passe do sistema Bicicletar durante 24h.

Para não deixar passar despercebido o dia, a Ciclovida propôs uma ação, de última hora: contagem de ciclistas na ciclovia da avenida Aguanambi esquina com rua Mestre Rosa.

A história do Poste: desde que foi inaugurada a obra da avenida Aguanambi, com faixas de ônibus, faixas de carros, calçadas e ciclovia, o trecho vem chamando atenção da capital cearense. A razão é que os responsáveis pela obra esqueceram um poste bem no meio da ciclovia recém inaugurada. Anterior à obra, o poste continua atrapalhando a vida das centenas de ciclistas que passam diariamente no trecho. Para dar luz ao problema, a Ciclovida está com uma série de posts (ou postes!) sobre o assunto. Veja AQUI os stories sobre a história do Sr. Poste, como tem sido chamado localmente.

Abaixo, destacamos alguns dados:- Foram contados 110 ciclistas em 2h (das 16h30 às 18h30), o que dá uma média de 0,9 ciclistas/min. Importante ressaltar que foram contados ciclistas de apenas um lado da avenida, porque, do ponto onde estávamos, era difícil enxergar do outro lado (contamos exatamente onde está o poste).

– Nos períodos com mais ciclistas – de 18h01 às 18h15, e 18h15 às 18h30 –  tivemos 19 ciclistas em 15 min, chegando a média de 1,3 ciclistas/min.

– Apenas 4,5% do total eram mulheres. E todas passaram até as 17h30, não se sabe se por não quererem andar por ali depois que escurece ou por terem horários e obrigações diferentes dos homens que trafegaram ali. Como todas passaram mais cedo, nos primeiros 15 min – 16h30 às 16h45 – o total de mulheres, nesse intervalo, foi de 16,7%.

14,5% dos ciclistas passaram por fora da ciclovia. Como estes geralmente pedalavam rápido, é possível que seja por causa dos diversos obstáculos na ciclovia e conflitos com pedestres. Além dos obstáculos, como o poste e a entrada e saída de veículos, é preciso ressaltar que vários ciclistas optam por não dar a volta na praça (onde está traçada a ciclovia) e seguem direto na avenida.

– Chamou atenção a falta de respeito dos motoristas que entravam e, especialmente, saiam da rua Mestre Rosa (sentido Aguanambi) com os ciclistas que trafegavam na ciclovia.

Nenhum ciclista com traje esportivo, o que pode demonstrar que ali não é um trajeto bom pra esporte/lazer.

– Das 110 bicicletas, apenas 2 compartilhadas, 3 cargueiras, e 1 ciclista com bolsa de entregador de aplicativos.

Dica para que um dia desejar contar em local próximo: se posicionar no canteiro central, ou em um local com melhor visibilidade numa próxima contagem na Aguanambi.

Outras fotos podem ser encontradas CLICANDO AQUI.

Abaixo, os links pra quem quiser acessar mais dados:

Planilha desta contagem: bit.ly/contagem-poste

Planilha com dados de todas as contagens: http://bit.do/contagem

Pasta no Drive com todas as planilhas: http://bit.do/pasta-contagens

Antes desta contagem da semana passada, as anteriores tinham sido há um ano atrás, no Dia de Bike ao Trabalho de 2018. As contagens de ciclistas são fundamentais para se monitorar a quantidade de ciclistas em vários trechos da cidade, bem como para caracterizá-los minimamente.

Elas são simples e divertidas de realizar! Quem tiver interesse de saber mais, ou quiser puxar algum em outro local, por algum motivo específico, avise a gente: ciclovidafortaleza@gmail.com.