Avaliação da Ciclovia Bezerra de Menezes

Após quase 5 anos da reforma da ciclovia da Av. Bezerra de Menezes, resolvemos fazer uma avaliação pra ver o que continuou errado, o que foi feito de melhorias e o que piorou!

Historicamente, em nossas contagens, a Bezerra de Menezes é uma das vias com o maior número de ciclistas! Uma média de 4,6 ciclistas por minuto nos horários de pico.

Para quem sai do Centro em direção ao Antônio Bezerra, seja indo pela Clarindo de Queiroz ou Duque de Caxias, o caminho de acesso à ciclovia não é fácil! Pegar a Pe. Ibiapina pra acessar a ciclovia exige um pouco de malabarismo indo na contramão pela faixa de ônibus, pela calçada do Mercado São Sebastião ou se espremendo entre os veículos que também tentam acessar a Bezerra.

Logo no acesso você encontra a primeira dificuldade: só passa uma bicicleta por vez! Sempre tem que esperar caso alguém venha em sentido contrário.

3°43’50.0″S 38°32’24.0″W
-3.730565, -38.540009

50 metros à frente o ciclista tem mais um motivo para se decepcionar… Parece piada! Uma trecho sem pavimento, cheia de lixo, fezes e com forte odor, com espaço inadequado para passagem dos ciclistas pelos lados e horrível para passar pelo meio.

3°43’50.4″S 38°32’25.5″W
-3.730657, -38.540429

Mais uma vez, 5 metros a frente, metade da ciclovia com um buraco (inadequadamente colocado para alguma árvore) e mais um canto quebrado. Sobrando aproximadamente 50 centímetros para passagem bidirecional dos ciclistas.

3°43’50.4″S 38°32’25.5″W
-3.730657, -38.540429

Em muitos trechos da ciclovia, a largura da ciclovia bidirecional não passa de 60 centímetros

3°43’50.96″S 38°32’29.21″W

Até a Rua Justiniano de Serpa o trajeto exige que o ciclista desvie constantemente das árvores que não estão dispostas só de um lado ou no centro da ciclovia.

Muitos ciclistas preferem ir por fora desse trecho entre a Rua Pe. Ibiapina e a Rua Justiniano de Serpa por conta da várias dificuldades para acessá-la, quanto pela dificuldade de trafegar (maior problema é na caixa dágua onde não é pavimentado).

Assim que cruzamos a Justiniano de Serpa, nos deparamos com um poste que torna a entrada na ciclovia perigosa! Há tanto o risco de colisão com o poste quanto com outro ciclista, devido a redução da largura.

3°43’52.0″S 38°32’34.8″W
-3.731116, -38.542989

Em frente ao Bom Preço, nos deparamos com uma sequência de árvores que deixam pouco espaço. A grande questão é que se essa divisão entre a pista e a ciclovia não é calçada, por que não utilizar esses 50 a 60cm a mais para alargar a ciclovia?

3°43’53.9″S 38°32’42.9″W
-3.731646, -38.545241

Não é difícil nos depararmos com lixo na ciclovia. A foto a baixo demonstra bem o momento da passagem nos dois sentidos. Um ciclista tem que esperar o outro para passar.

3°43’53.9″S 38°32’42.9″W
-3.731646, -38.545241

Mais um ponto com passagem dificultada que seria facilmente resolvida com a diminuição da divisão do lado direito entre a ciclovia e a faixa de rolamento.

3°43’54.7″S 38°32’46.7″W
-3.731861, -38.546304

Em alguns momentos nos deparamos com surpresas como esse buraco da foto abaixo que pode facilmente provocar dano a um ciclista.

3°43’56.1″S 38°32’52.4″W
-3.732241, -38.547886

Em alguns pontos as placas estão quebrando e saltando. A da foto abaixo o pneu pode derrapar e gerar algum dano ao ciclista.

3°43’56.4″S 38°32’54.1″W
-3.732335, -38.548356

O encontros das placas, por si só, incomoda um pouco. Observe o vídeo abaixo e veja a diferença sentida nos braços (e no corpo) quando comparamos pedalar na ciclovia (feita de qualquer jeito) e na via linda e maravilhosa feita para os carros que não podem ser penalizados.

Esse buraco da foto abaixo existe desde a inauguração da ciclovia.

3°43’57.2″S 38°32’57.8″W
-3.732547, -38.549381

Em muitos pontos encontramos esses postes nas laterais da ciclovia. Um ciclista novato ou distraído pode facilmente bater a ponta do guidão e cair. Por que esses postes não foram instalados nesse batente de divisão entre via de rolamento e ciclofaixa?

Esse rampa tem uma descida muito acentuada do lado esquerdo. Para ciclistas iniciantes que não conhecem a ciclovia, há risco de queda.

3°43’58.5″S 38°33’04.3″W
-3.732912, -38.551182

Nesse ponto até parece brincadeira! A ciclovia mais estreita e ainda um poste ocupando área útil. Parece que a Prefeitura de Fortaleza faz propositalmente!

3°44’00.3″S 38°33’13.1″W
-3.733403, -38.553642

Algumas placas estão rachando e saindo do lugar.

Mais um poste estrategicamente bem colocado para aumentar o risco para o ciclista.

Em alguns pontos encontramos buracos como esse. Alguns com tampa e outros sem.

Trecho educativo feito pela prefeitura para treinar a coordenação motora dos ciclistas. Treinamento para corda bamba com bicicleta.

Esse trecho foi alargado mas não o suficiente. Ainda conta com um buraco. Muitos preferem usar o outro lado.

Buraco sinalizado com o mato.

3°44’04.0″S 38°33’31.8″W
-3.734449, -38.558838

Mais um trecho que poderia ser alargado, eliminando essa “calçada dos dois lados.

3°44’05.4″S 38°33’40.6″W
-3.734826, -38.561279

Uma mão da ciclovia ocupada com… NADA!

3°44’06.4″S 38°33’46.0″W
-3.735119, -38.562767

Até agora não entendi porque deixaram a ciclovia assim… Obra muito bem feita!

3°44’07.1″S 38°33’48.1″W
-3.735316, -38.563351

Mais um buraco no meio do caminho! Esse existia antes da reforma da ciclovia. Por que não tamparam?

3°44’07.3″S 38°33’48.4″W
-3.735373, -38.563450

Esse parece que é o mesmo de uma foto anterior… mas não é não! É outro buraco mesmo! Também existente desde antes da reforma.

3°44’07.6″S 38°33’48.8″W
-3.735436, -38.563545

Essa é uma armadilha conhecida como fura pneu.

3°44’08.4″S 38°33’52.9″W
-3.735662, -38.564705

Mais postes para dentro da ciclovia. Esse é um bom exemplo: O poste seguinte está no local correto. Por que não padronizaram esse troço todo? Pra ferir algum ciclista desatento?

3°44’09.5″S 38°33’58.1″W
-3.735982, -38.566128

Mais uma placa que está saindo do local e pode provocar algum dano.

3°44’09.7″S 38°33’58.5″W
-3.736015, -38.566250

Esse trecho é bem estranho. A ciclovia é muito estreita mesmo tendo espaço suficiente do outro lado.  A ciclovia vai afilando cada vez mais enquanto do outro lado existe um espaço especialmente reservado para lixo e vendedor ambulante de camisas e bandeiras de time.

3°44’10.5″S 38°34’02.9″W
-3.736239, -38.567463

 

3°44’10.6″S 38°34’03.2″W
-3.736265, -38.567555

 

3°44’10.7″S 38°34’03.9″W
-3.736313, -38.567738

 

3°44’10.9″S 38°34’04.4″W
-3.736359, -38.567879

 

3°44’11.0″S 38°34’04.6″W
-3.736398, -38.567940

Não dá pra entender como a Prefeitura deixou uma área tão grande sem uso e tão pequena para a ciclovia…

3°44’11.2″S 38°34’04.9″W
-3.736429, -38.568031

Pra fechar com chave de ouro, no final da ciclovia da Bezerra de Menezes encontramos uma plantinha dotada de espinhos! Excelente!

3°44’11.2″S 38°34’05.9″W
-3.736435, -38.568298

O que fica claro, para nós, é a falta de esmero com os ciclistas e pedestres nessa cidade. A impressão que fica é que o prefeito quer fazer por fazer! Que ele quer números e prêmios pelos números e não pela qualidade das obras e pela mudança efetiva.

Depois de quase 5 anos, muitos dos problemas persistiram. Alguns novos apareceram como a presença mais frequente de pedestres, grandes trechos sem sombras e muitos problemas antigos simplesmente foram ignorados.